medicina

Conteúdos dedicados à medicina.

Entendemos que, na medicina, o saber não se limita apenas ao diagnóstico e tratamento, mas também se estende à capacidade de adaptar-se e prosperar em um ambiente profissional em constante transformação.

Por isso, nesse guia de conteúdo confira informações, dados e índices que impactam diretamente a prática e a carreira médica.

Aqui, você encontrará estudos recentes, insights sobre gestão de carreira, tendências do mercado médico e oportunidades de desenvolvimento.

A sua principal fonte de conhecimento, para manter você atualizado em meio às rápidas mudanças do campo médico.

Acompanhe nossos todos os nossos conteúdos e mantenha-se informado.

Como uma contabilidade médica online facilita a rotina da clínica?

Como uma contabilidade médica online facilita a rotina da clínica?

Entenda como uma contabilidade médica online pode otimizar a sua clínica, com a simplificação de diversas tarefas.

Para uma clínica médica gerar competitividade no mercado, é fundamental saber administrar os processos internos. São muitas as informações e encargos e é natural que os médicos precisem de auxílio. Assim, para sanar essa dor do mercado existe a contabilidade médica online.

Hoje, pode ser um desafio manter o negócio em dia com as obrigações fiscais e financeiras, as folhas de pagamento dos funcionários organizadas, bem como as estratégias para lucros e expansão do negócio.

Porém, com uma assessoria contábil especializada na área médica e o apoio da tecnologia, você pode ficar tranquilo. 

O que é uma contabilidade médica online?

A área da saúde possui regulamentações e especificidades que uma contabilidade comum não entende. 

Dessa forma, uma contabilidade médica online oferece serviços com foco na saúde financeira da clínica, a partir do entendimento da complexidade das regras tributárias e das particularidades da área.

Somado a isso, com tecnologia uma contabilidade médica oferece ao médico gestor ferramentas de gestão contábil e financeira  

Um recurso que pode ser acessado em qualquer momento por smartphones ou notebooks para simplificar os processos no dia a dia da clínica.

Mas as vantagens de uma contabilidade médica online não se resumem a essas. Confira agora, outros benefícios para a sua clínica médica.

Diminuição de erros

Há mais precisão na hora de executar os serviços contábeis e financeiros, como entrega de obrigações acessórias e fluxo de caixa, identificando — e corrigindo fenômenos — que colocam em risco o patrimônio empresarial.

Agilidade e segurança

A gestão de todos os documentos, como contrato social, guias de ISS, guia de DAS, notas fiscais, entre outros, em um só lugar, com fácil acesso e segurança é primordial.

Essa organização proporciona ao médico o cumprimento das diferentes determinações legais, fiscais e administrativas, facilidade para fins de informação ou pesquisa.

Além disso, com uma contabilidade médica online, o médico gestor consegue emitir notas fiscais rapidamente por meio de tecnologias como o aplicativo Mitfokus, em que é possível copiar os dados da última nota fiscal, ou seguir o passo a passo na própria ferramenta. 

Atendimento das legislações de maneira mais precisa

A contabilidade médica online oferecendo dados em tempo real das empresas médicas, é fundamental para que o médico administre o negócio legalmente.

Somado a isso, que o gestor da clínica possa tomar decisões inteligentes sobre seu negócio.

Sem multas e penalidades

Para uma clínica existir é necessário que toda a documentação esteja em dia, mantendo em ordem todos os registros de operações e transações. 

Sem esse cuidado, a empresa pode sofrer penalidades fiscais, por apresentar informações equivocadas, não entregar os documentos no prazo estipulado ou até mesmo perder os prazos para pagamento de impostos. 

Neste quesito, o aplicativo Mitfokus envia notificações de vencimentos, assim os médicos conseguem se organizar para não perder os prazos de pagamento desses impostos.

A ferramenta também oferece um calendário de impostos, para o médico verificar quais boletos irão vencer no mês, e agendar o pagamento, evitando assim multas e juros.

Aumento da produtividade

Na plataforma Mitfokus, a visualização de relatórios por consultas e/ou localidade, faz com que a produção médica de cada profissional se torne visível e compreensível.

Além disso, os documentos geram informações completas acerca do pagamento de cada médico, já com os descontos das variáveis com impostos proporcionais.

Dessa forma, a Mitfokus orienta os médicos às melhores formas de atuação, e ajuda a eliminar processos que consomem o tempo e não agregam valor ao serviço final. 

Uma vez que o tempo dispensado em questões contábeis, para os médicos empreendedores, é reduzido, ele consegue se dedicar de forma mais completa ao seu negócio e aos pacientes.

Portanto, com a ferramenta de gestão financeira e contábil da Mitfokus na palma da mão, as rotinas da clínica são simplificadas.

Tecnologia aliada ao atendimento personalizado de um time contábil

A Mitfokus Contabilidade Médica foca ainda todo seu trabalho no atendimento humanizado, oferecendo ao médico uma experiência única e personalizada.

Assim, a empresa cria tecnologias para facilitar os processos, mas priorizando a experiência do cliente, acompanhada de perto por um time de especialistas em finanças médicas. 

Quer saber mais sobre os serviços da Mitfokus? Clique aqui.

Posted by Imprensa Mitfokus in Contabilidade para médicos, 0 comments
Estudo evidencia desigualdade salarial na medicina

Estudo evidencia desigualdade salarial na medicina

Média salarial dos profissionais é de pouco mais de R$ 30 mil; médicas declararam renda equivalente a 64% da registrada pelos homens, aponta estudo

Desigualdade salarial na medicina. Segundo dados da Receita Federal, divulgados pela Demografia Médica do Brasil 2023, a renda mensal dos médicos em 2020* era de R$ 30,1 mil. Os dados apontam que entre 2012 e 2020, houve uma queda de 7,2% nos rendimentos destes profissionais.

Os profissionais entre 51 e 60 anos de idade foram os que tiveram maior salário registrado, chegando a receber, em média, R$ 41,2 mil. Já os médicos entre 19 e 30 anos informaram receber R$ 12,2 mil, e os de 31 e 40 anos, R$ 24,8 mil.

Desigualdade salarial

Os dados, no entanto, apontam desigualdade salarial entre os homens e as mulheres da medicina. A renda do médico homem em 2020 foi de R$ 36.421, enquanto a das mulheres foi de R$ 23.205. Ou seja, equivalente a 63,7% do rendimento declarado pelos homens.

A diferença também ocorre nas faixas etárias dos gêneros. Na faixa de 41 a 50 anos, a renda declarada pelas médicas representa 65% da renda dos médicos.

Essa diferença não acompanha o processo de feminização da medicina no país. Isso porque a proporção de mulheres médicas declarantes de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) subiu, passando de 42,5%, em 2012, para 47,1%, em 2020. Em 2020, as mulheres já respondiam por 57,5% dos novos registros de médicos recém-formados.

Além disso, homens declaram rendimento superior em todas as faixas etárias, enquanto as mulheres têm variações menos flexíveis. Até os 30 anos, mulheres declaram, em média, 82,7% do rendimento dos homens, diferença que se amplia para faixas etárias intermediárias, voltando a diminuir nas idades mais avançadas.

O presente levantamento reforça o fato de os homens receberem remuneração maior do que as mulheres na medicina no Brasil, sendo que as diferenças tendem a persistir mesmo com ajustes por especialidades e carga horária.

Discriminação pode ser combatida

A diferença salarial entre homens e mulheres não é exclusiva da medicina, mas acontece em todas as áreas do mercado de trabalho. Até mesmo em cargos de chefia e direção não existe isonomia salarial. Porém, essa postura das empresas é vedada pela legislação.

A própria Constituição Federal do Brasil declara, no Artigo 5º, que “todas as pessoas são iguais perante a lei”. O Artigo 7º “veda a diferenciação de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil”. Embora a lei determine a exigência de salários iguais, não existe fiscalização e nem multa para empresas que não cumprem a legislação.

Essa discriminação contribui para várias realidades negativas, dentre elas a sub-representação do gênero em áreas que pagam melhor, como ciência e tecnologia.

Um artigo divulgado pelo site Folha Vitória afirma que 11% dos cargos executivos nas empresas de tecnologia do Vale do Silício nos Estados Unidos são ocupados por mulheres. Nenhuma das cinco grandes empresas de tecnologia dos EUA – Alphabet, Apple, Meta, Amazon e Microsoft – já teve uma mulher como CEO. É um potencial que deve ser explorado.

Outro problema muito comum diz respeito às demissões logo após a licença-maternidade, o que faz com que muitas mães, embora bastante qualificadas, percam seus empregos e desistam da carreira.

A desigualdade salarial é uma das principais barreiras que as mulheres enfrentam no mercado de trabalho, porém, ela pode ser combatida com algumas iniciativas. Se você pensa em abrir uma clínica ou consultório, por exemplo, promova a equidade salarial entre homens e mulheres. Isso assegura a isonomia nas remunerações para cargos com as mesmas funções e responsabilidades.

Além disso, inclua a igualdade de gênero nos valores do seu negócio. Fale do tema em reuniões, na comunicação da empresa (campanhas, redes sociais, eventos) para que os colaboradores entendam que a igualdade entre os gêneros faz parte do DNA e da cultura organizacional.

O caminho é longo para diminuir a desigualdade salarial na medicina, e requer muito esforço social, políticas e ações concretas. Mas se você souber fazer a sua parte, contribuirá para eliminar as diferenças de gênero e alcançar a ODS (Objetivo de Desenvolvimento Sustentável) nº 5 da Organização das Nações Unidas (ONU), que busca acabar com todas as maneiras existentes de discriminação com meninas e mulheres em todas as partes do mundo.

Posted by Imprensa Mitfokus in Dados na Medicina, 0 comments
Covid-19: médicos no Maranhão foram mais impactados do que os de São Paulo

Covid-19: médicos no Maranhão foram mais impactados do que os de São Paulo

Características do mercado de trabalho e disponibilidade de equipamentos podem ser fatores que evidenciaram essa realidade

Quase metade (49,2%) dos médicos que atuam no estado do Maranhão foi infectada pelo vírus da Covid-19 em 2021, segundo ano da pandemia. O índice é praticamente o dobro da taxa de infecção reportada pelos médicos paulistas (24,1%). É o que revela a Demografia Médica do Brasil 2023.

Dos 1.183 entrevistados, 46,6% atuavam no Maranhão e 53,4% em São Paulo. Os médicos eram em sua maioria homens, sendo 54% residentes de São Paulo e 58% no Maranhão. A média de idade dos entrevistados era de 44,4 anos. Em São Paulo a média era de 45,3, no Maranhão, de 43,3.

A maioria dos médicos infectados apresentou sintomas leves ou inexistentes. O quadro grave de infecção foi relatado por 5% dos entrevistados, principalmente no estado do Maranhão (MA 6,9%; SP 2,5%).

Falta de equipamentos

De acordo com o relatório, a diferença no  índice de adoecimento pode ter relação com a organização dos serviços de saúde, características do mercado de trabalho e disponibilidade de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Diante da pandemia que assolou o país e o mundo, a comercialização de EPIs não acompanhou a velocidade de evolução da doença. O resultado disso foi a falta de equipamentos indispensáveis para o uso das equipes na linha de frente de assistência.

Para ter uma ideia, em abril de 2020, uma pesquisa realizada pela Associação Paulista de Medicina (APM) repercutiu na grande imprensa quando mostrou que 50% dos médicos que atuavam na linha de frente enfrentaram a falta de equipamentos de proteção, tais como máscaras N95 ou PFF2, falta de óculos, aventais, máscaras cirúrgicas e orientações.

Além da escassez de materiais de proteção, os médicos também foram alvos de adoecimentos, como síndrome de Burnout, depressão, entre outros casos, evidenciando o quanto os médicos e profissionais da saúde estão expostos a estímulos negativos e estressantes no ambiente de trabalho.

Brasil foi um dos países mais afetados pela Covid-19

Até o fechamento deste texto, o Brasil tinha registrado 701.215 mortes e 37.407.232 casos de Covid-19, conforme o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

De acordo com o relatório, o impacto foi muito maior nas populações mais vulneráveis. E, desde que a crise se alastrou, só houve um dia (12/02/2023) em que o Brasil não registrou nenhuma morte por Covid-19 nas últimas 24 horas.

Aos poucos, com o avanço  da vacinação no país, os estudos apontaram a redução de casos e até de óbitos. Uma pesquisa da Fiocruz aponta que o índice de mortalidade ocasionado pelo vírus é três vezes maior em pessoas não vacinadas do que aquelas que estão vacinadas. Isso corrobora com o fato de que a vacinação é o caminho para reduzir o risco de morte pela doença. Cuide-se!

Para saber mais detalhes sobre a pesquisa, acesse aqui.

Posted by Imprensa Mitfokus in Dados na Medicina, 0 comments
Será que a carreira médica é mesmo para mim?

Será que a carreira médica é mesmo para mim?

Pesquisa da OCDE mostra que, de 60 mil adolescentes em todo o mundo, 10% querem se tornar médicos

Carreira médica: muitas áreas de atuação, altos índices de empregabilidade, retorno financeiro certo, ajuste de carga horária, possibilidade de escolher local de residência em consonância com o trabalho… Essas são somente algumas das vantagens de quem se torna médico.

Em uma pesquisa, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) perguntou a 600 mil adolescentes, em todo o mundo, sobre as suas expectativas de ocupação laboral. E a descoberta foi que mais de 10% desses jovens queriam se tornar médicos.

Contudo, antes de escolher uma profissão, é preciso ponderar a concepção de realização, ligada ao ato de fazer o que se gosta com a remuneração e o reconhecimento da carreira. Em outras palavras, a realização profissional está totalmente relacionada com a vocação de cada indivíduo, que é o ânimo que temos para fazer alguma coisa e que diz respeito ao contentamento que nos faz passar horas absortos sem notarmos isso.

Mas, para ingressar em Medicina, sabemos que só isso não basta. É necessário ter força de vontade, muita disciplina e determinação para entrar em um dos mais competitivos vestibulares e depois se manter, por seis anos a fio, estudando pesado, muitas vezes deixando de lado a diversão com os amigos e a reunião com os familiares para passar nas difíceis provas.

Uma vez dentro da faculdade de Medicina, as aulas ocorrem em dois turnos, tanto para quem pensa em clinicar, lidar diretamente com pacientes, se tornar um cirurgião ou um pesquisador. Não importa: o tempo e a energia despendida são os mesmos, independentemente da escolha a ser feita depois do bacharelado concluído.

E engana-se quem pensa que os estudos acabam com o diploma de faculdade. De forma alguma: o bom médico nunca para de estudar, afinal, a Medicina é uma ciência, e como toda scientia (do latim), cujo significado é “conhecimento”, ela tem que representar todo o saber assimilado por meio de pesquisa, estudo ou prática.

E, agora, com o advento da inteligência artificial na Medicina, novas descobertas são feitas praticamente a cada átimo, o que torna os estudos ainda mais importantes.

Todo futuro médico também, mesmo antes de adentrar na faculdade, deve começar a se familiarizar com a essência da triagem, que é a forma de atendimento e tratamento dado aos pacientes de acordo com a urgência da situação. Muitas vezes, isso revela uma tomada de decisão difícil, priorizando uma pessoa em detrimento de outra, e mais do que quem ajudar, vem a questão: “como ajudar”.

Embora a triagem seja, do ponto de vista emocional, desafiadora, ela é imprescindível para salvar vidas. E a pergunta, neste sentido, é: você está realmente preparado para isso?

Afinal, é preciso lembrar que faz parte da carreira médica ficar de plantão algumas noites, escutar queixas de dores de pacientes, solicitar exames para saber o que está errado, sem muitas vezes ter uma resposta pronta para resolver os problemas. Trata-se de uma profissão bastante agitada, e quem segue por esse caminho estará ocupado com muito trabalho e estudo por toda a sua vida laboral, pode apostar.

Fato é que, quando um adolescente tem que tomar a difícil decisão de escolher sua carreira, que vai valer para o resto da sua vida, é natural que ele romantize seu futuro, uma vez que todo mundo se vê bem-sucedido, sem problemas financeiros, viajando de férias pelos lugares mais exóticos do planeta, comendo nos melhores restaurantes, vestindo as roupas mais belas e elegantes… Mas o ideal é pensar, antes de escolher uma profissão, sobre o que as pessoas passaram para chegar aonde estão.

Por esse motivo, a dica para pensar se a carreira médica serve para você é: informar-se o máximo possível. Interrogue: quantas horas serão necessárias permanecer na sala de aula ou no laboratório? Quanto tempo de estudo em grupo? E sozinho? O que um estudante de Medicina vê desde o seu primeiro dia de aula? Quais são as principais dificuldades do curso? Como é lidar com a dor do próximo? E de que forma noticiar à família o óbito de um ente querido?

Por fim, como diria o estatístico William Edwards Deming (1900-1993), conhecido mundialmente como o “guru da qualidade”: “Sem os dados, você é apenas uma pessoa qualquer com uma opinião”. Lembre-se disso!

Posted by Imprensa Mitfokus in Conteúdo para Médicos, 0 comments
Diminui índice de estudantes de medicina autodeclarados negros

Diminui índice de estudantes de medicina autodeclarados negros

Em compensação, houve um aumento no percentual de alunos que se declararam pardos. Confira o estudo.

Estudantes de medicina: em 10 anos, a maioria dos alunos eram pessoas autodeclaradas brancas. Em 2019*, o índice foi de 69,7%. Já o número de  estudantes autodeclarados pretos diminuiu mais da metade: em 2010 eram 8,2% ; em 2019 foi para 3,5% do total de ingressantes.

Em contrapartida, o índice da população autodeclarada parda nas universidades cursando medicina aumentou. Em 2019, tinham 9.326 alunos ante 1.483 em 2010.  

População negra é maioria na pública

O estudo apontou, ainda, que a porcentagem de ingressantes segundo raça/cor variou conforme a instituição, se pública ou privada. Em 2010, a população negra nas escolas públicas representava 38,6%, quase o dobro do encontrado nas escolas privadas (19,4%). Após 10 anos, em 2019, o número de pretos e pardos era de 41,6% nas públicas e 23,0% nas escolas privadas, mostrando que a diferença se manteve.

O que podemos considerar nesse recorte é que houve um avanço no número da população negra cursando medicina no país.  Esse aumento da identificação racial deve-se, entre outros aspectos, ao maior número total de vagas disponíveis. A política de cotas também é um outro fator importante nesse processo, uma vez que diminui a desigualdade do acesso aos jovens negros e pardos na área médica.  Soma-se a essas lutas e conquistas as ações afirmativas, tanto de reparação histórica quanto na educação.

No entanto, em termos percentuais, considerando o total de estudantes de medicina, não houve alteração. Isso mostra que a inclusão ocorre de maneira mais lenta do que ocorre no ensino superior e na sociedade como um todo, levando em consideração que, nos últimos anos, o número de pessoas que se declaram como pretas e pardas no Brasil tem aumentado.

Pretos e pardos representam, agora, 56% da população. É o que diz a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ainda assim, temos muito a comemorar e ao mesmo tempo evoluir nesse processo.

*Até 2019, o Inep disponibilizava microdados do censo sem restrições. Para adequação à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018), a partir de 2020 (último ano disponível no momento do estudo) parte dos dados passou a ser fornecida de forma semi-agregada. Assim, para a maior parte das análises são usados dados da série de 2010 a 2019. (Fonte: Demografia Médica do Brasil 2023). 

Posted by Imprensa Mitfokus in Dados na Medicina, 0 comments
Pejotização médica: afinal, ela é ou não uma prática lícita?

Pejotização médica: afinal, ela é ou não uma prática lícita?

Modalidade de trabalho está na mira da Receita Federal, que a enxerga como uma tentativa de diminuir a tributação do contratado, o que é considerado fraude

Pejotização médica. Há um ano, o Supremo Tribunal Federal aceitou um agravo de instrumento determinando que o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA) atendesse aos precedentes da corte e permitisse que o Instituto Fernando Filgueiras (IFF), organização social responsável pela gestão de quatro hospitais públicos e uma unidade de pronto atendimento na Bahia, contratasse médicos como pessoas jurídicas, promovendo a chamada “pejotização”.

Antes de essa decisão ser proferida, o Ministério Público do Trabalho havia movido uma ação civil pública afirmando que a contratação dos médicos pelo IFF era ilícita, por fraudar a Consolidação das Leis do Trabalho, uma vez que na relação médico-hospital havia vínculo empregatício. Então, o TRT-5 proibiu o instituto de contratar médicos por intermédio de pessoas jurídicas, mas depois teve que voltar atrás.

Com essa decisão do órgão considerado o “guardião da Carta Magna”, muitos médicos se perguntam: afinal, a pejotização é boa ou ruim? Como funciona o sistema PJ na medicina? Ela é lícita ou não? Qual é a diferença entre ser prestador de serviço CLT ou pessoa jurídica?

Antes de responder a essas perguntas, a Mitfokus esclarece que o termo “pejotização médica” surgiu do termo “pessoa jurídica”, e diz respeito à contratação de prestação de serviços médicos  por meio de um CNPJ. De acordo com a demografia médica de 2020 elaborada pela FMUSP em parceria com o CFM, em média os médicos possuem quatro fontes de renda. Não há exclusividade quanto ao local de prestação de serviços dos médicos: ora dão plantão em um hospital, ora atendem consultas particulares em coworking etc. Não se trata, na prática, de uma forma de burlar a legislação trabalhista, e sim de uma realidade da dinâmica da prestação de serviços médicos. No entanto, para isso não podem estar presentes os requisitos da relação de emprego entre empresa e pessoa física, que são: exclusividade, pessoalidade, onerosidade, isenção de riscos, não eventualidade e subordinação.

Voltando ao caso do IFF, a Suprema Corte expôs que a pejotização é uma forma de “terceirização lícita”, e deve ser barrada quando for usada para camuflar justamente essa relação de emprego descrita na linha acima. Neste caso específico, segundo o STF, o Ministério Público do Trabalho só poderia atuar se a pejotização fosse uma forma de suprimir o pagamento de verbas trabalhistas, como FGTS, por exemplo. Como não foi o que aconteceu: o órgão não teve legitimidade para mover tal ação.

Entretanto, outra polêmica se faz em torno do assunto, já que essa modalidade de trabalho está sob os holofotes da Receita Federal, que começou a enxergar a pejotização na medicina como uma tentativa de diminuir a tributação do contratado, o que é considerado fraude, crime de caráter penal, com punições que variam de multas em valor ampliado do tributo devido até cinco anos de prisão.

Portanto, a pejotização médica é um evento intrincado tanto para quem emprega quanto para os médicos, porque a Receita Federal compreende que o vínculo entre a pessoa jurídica prestadora de serviços e a tomadora dos serviços (pessoa física ou jurídica) não pode, em nenhuma hipótese, ocultar um nexo trabalhista, em que o médico atue com subordinação, habitualidade, subordinação, salário fixo e pessoalidade. Em suma, a prática, para o fisco, é pura tentativa de diminuir a tributação, o que configura fraude. Não é à toa que ela pode trazer consequências severas para a empresa contratante e para o trabalhador.

Porém, da medicina, cada vez mais hospitais (particulares e públicos) e clínicas têm exigido que os médicos constituam empresas, ou seja, abram um CNPJ para que, posteriormente, sejam contratados. E o que era para ser uma mera prestação de serviço acaba se transformado em uma relação de emprego sem as garantias e os benefícios da contratação via CLT.

As principais diferenças entre ser prestador de serviço pessoa física e jurídica são: no caso de pessoa física, o médico pode trabalhar com carteira assinada ou como autônomo, e na CLT ele terá direito a férias remuneradas, 13º salário, FGTS, seguro-desemprego, licença-maternidade, direito a auxílio-doença e outros benefícios. Já o autônomo, como o próprio nome sugere, recebe por Recibo de Pagamento do Autônomo, sem benefícios nem garantias celetistas. Ele tem como obrigação pagar tributos como o Imposto sobre Serviços, que é descontado do pagamento.

No caso de médico que constitui empresa, com CNPJ, os impostos são menores, incidindo somente sobre a modalidade. E o trabalhador não tem os direitos trabalhistas.

Como são muitas as exigências em ambas as relações laborais, o ideal é que o médico conte com uma contabilidade especializada, como a Mitfokus, para auxiliá-lo e evitar dores de cabeça com o fisco. 

Posted by Imprensa Mitfokus in Dados na Medicina, 0 comments